Artrose do joelho

A artrose do joelho é uma doença que não tem cura, mas com o tratamento ideal o paciente consegue um convívio saudável com o problema. O local mais acometido é o joelho devido a sobrecarga e também porque apresenta diversas articulações. Uma dor que piora com esforço, rigidez matinal, dificuldade em apoiar o peso do próprio corpo sobre o joelho lesionado, inchaço (edema) e perda de função pode ser um sinal de artrose.

artrose-do-joelhoO que é a artrose do joelho?

Também conhecida como osteoartrite, a artrose é uma doença de natureza inflamatória e degenerativa das articulações. Ela é provocada pelo desgaste das cartilagens que revestem as extremidades ósseas, causando dor e podendo levar a deformidades. A articulação do joelho é uma das mais afetadas em virtude de sua capacidade de suportar peso, assim como a coluna vertebral e os quadris.

Os pacientes com artrose se queixam de dor, falta de firmeza, estalos no joelho, rigidez e limitação dos movimentos.

Os números assustam. Segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde, cerca de 70% a 80% da população com mais de 65 anos possui artrose. Além disso, a doença é considerada pelo Ministério da Previdência Social e do Instituto Nacional de Seguro Social do Governo Federal, a terceira causa de afastamento de trabalho no Brasil. A doença é tão comum que representa de 30% a 40% de todas as consultas em ambulatórios de reumatologia, além de afastar 7,5% dos trabalhadores.

No total são 10 milhões de brasileiros diagnosticados com artrose. Desses, só 40% realizam o tratamento prescrito pelo médico, segundo uma pesquisa das sociedades brasileira de Reumatismo, de Ortopedia e Traumatologia, de Medicina Física e Reabilitação e de Cirurgia do Joelho.

 

Causa 

A ocorrência da artrose tem se tornado comum nos últimos anos. Envelhecimento, excesso de peso sobre a articulação acometida, atividades que exijam movimentos repetitivos sobre a articulação (como saltos) realizados de forma incorreta por um tempo prolongado, histórico familiar  e até o tabagismo são fatores desencadeantes da artrose. Lesões prévias de ligamentos, menisco ou cartilagem também podem acelerar o processo de degeneração articular, levando a deformidades. É importante destacar que a prevalência da doença aumenta com a idade e que as mulheres têm o dobro de propensão em comparação com os homens.

Apesar da principal causa estar relacionada a alterações na biomecânica, como deformidades, desalinhamentos ou fraquezas musculares, diversos fatores podem levar à artrose, como genética e sobrepeso, o que aumenta o risco de artrose também na bacia, nos tornozelos e nas articulações dos pés e dedos (como a “Joanete”); mau alinhamento dos joelhos; fraturas ou outras lesões nas articulações prévias também podem causar a artrose ou osteoartrite, como é chamada nos Estados Unidos.

Até mesmo atletas de alta performance que realizam treinamentos muito intensos ou inclusive os atletas amadores e de fim de semana podem apresentar artrose precoce, seja por erros no treinamento ou a realização errada de exercícios físicos que também tem grande influência.

 

Sintomas

A dor no joelho é, normalmente, o primeiro sintoma e ela tende a piorar com o esforço que sobrecarregue mais o joelho. Outros sintomas incluem rigidez matinal, dificuldade em apoiar o peso do próprio corpo sobre o joelho lesionado, inchaço (edema) e perda progressiva de mobilidade. Quando os sintomas ainda estão no início da artrose, o repouso pode ajudar a aliviá-los. Em casos mais avançados e não tratados, a artrose pode ocasionar a deformidade dos membros inferiores, que é o joelho varo (cambota) ou valgo (na forma da letra “x”).

Prevenção

Quem tem um histórico familiar com artrose precisa ter mais atenção com o seu joelho. Nestes casos, a prevenção pode evitar o aparecimento de artrose no futuro. Como a artrose é uma doença que atinge, em sua maioria, pessoas da terceira idade, quem tem predisposição precisa mudar os hábitos quando ainda há tempo.

Perder peso, praticar atividade física, não fazer movimentos que sobrecarreguem o joelhos, manter uma alimentação balanceada podem ajudar a reduzir as chances do indivíduo ter artrose.  Interromper o uso do cigarro é outro fator importante, pois o tabaco diminui a qualidade do colágeno ds articulações.

As atividades físicas devem ser feitas diariamente e os exercícios precisam ser focados no fortalecimento das articulações.

O tratamento pode ser feito com auxílio de medicamentos para aliviar a dor e fisioterapia. O fisioterapeuta é o responsável por criar exercícios para fortalecer os músculos ao redor da articulação aumentando a amplitude dos movimentos e amenizando a dor ao mesmo tempo.

Procure um fisioterapeuta para fazer uma avaliação e iniciar o tratamento o quanto antes.

artrose-do-joelhoDiagnóstico e exames

Exame físico detalhado, auxiliado por exames de imagem como raio-X das articulações afetadas. As radiografias simples são indispensáveis.

Remédios para artrose

Ao tratar a artrose no joelho, o paciente deve administrar doses de analgésicos, anti-inflamatório e suplementos que restauram a cartilagem.

Tratamento e Reabilitação

O tratamento sempre terá como objetivo proteger as articulações e estimular a movimentação destas, a fim de evitar o processo de enrijecimento articular. A fisioterapia é um dos principais meios de tratamento para pacientes com dor no joelho ocasionada por osteoartrose. O protocolo de reabilitação tem como foco o controle da dor e inchaço com recursos de Eletrotermofototerapia, correção biomecânia com exercícios de fortalecimento muscular, elasticidade, equilíbrio e treino sensório-motor. Quando o grau da artrose do joelho é avançado, apresentando deformidades angulares da região, o tratamento cirúrgico pode ser indicado com osteotomias corretivas e, principalmente, substituição da articulação com próteses (artroplastias totais de joelho). Em alguns casos podem ser administrados medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios.

Para um melhor entendimento, podemos dividir em fases. Veja abaixo:

Fase 1: Eletrotermofototerapia
Nessa fase, o fisioterapeuta irá utilizar técnicas com laser de baixa intensidade e terapia combinada para aliviar a dor do paciente e diminuir a inflamação e edema proporcionando um relaxamento muscular.

Fase 2: Terapia manual e Estabilização segmentar
A terapia manual com pressão isquêmica e mobilização articular trabalha o movimento e também ajuda a diminuir os espasmos musculares protetores. Essas técnicas associadas fortalecem os músculos de estabilização.

Fase 3: Fortalecimento, Equilíbrio e Correção biomecânica
No final do tratamento, os exercícios são intensificados para promover um fortalecimento, equilíbrio, dos músculos recuperando os movimentos.
Todo esse tratamento ainda conta com uma análise da postura estática e dinâmica, os resultados podem ajudar no treinamento funcional na reabilitação do membro inferior.

Assista ao vídeo:

 

Relação entre exercícios físicos x fisioterapia

No tratamento para controlar a dor é indicado que o paciente faça exercícios físicos para fortalecer a musculatura do membro inferior sob a recomendação de um fisioterapeuta. Caminhada, bicicleta e hidroginástica são exercícios bem vindos durante o tratamento. Esses exercícios podem ser feitos diariamente.

Já a fisioterapia é fundamental para a recuperação do paciente. O tratamento fisioterápico pode consistir no fortalecimento da musculatura do quadríceps e isquiotibiais, glúteos médio e máximo, mobilizações e eletrotermoterapia.

A combinação dessas técnicas ajuda o paciente recuperar os seus movimentos e fortalecer os músculos de uma forma saudável sem prejudicar a articulação. Além disso, a sua recuperação tende a ser mais rápida com ajuda de exercícios físicos e a fisioterapia.

Artrose também pode atingir pessoa de 30 a 50 anos. O que fazer?

Há quem acredita que a artrose caracterizada pelo desgaste das cartilagens das articulações só atinge a terceira idade, pelo contrário, cada vez mais adultos que estão na faixa etária dos 30 anos se queixam da doença.

Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), 20% dos adultos brasileiros já são acometidos pela doença. Estima-se  que o excesso de exercícios físicos será a causa de 45% dos casos de artrose no futuro, de acordo com os dados do livro “Osteoartrite – Cenário Atual e Tendências no Brasil.

O desgaste nas cartilagens articulares é uma das principais causas para desenvolver a artrose. A terceira idade é a mais afetada por causa do envelhecimento natural. Entretanto, já é possível notar um alto número de pessoas diagnosticadas com artrose no quadril, joelhos, tornozelos, na faixa dos 30 anos.
Entre os motivos para artrose nessa idade estão a obesidade e os exercícios físicos em excesso sem o acompanhamento de um profissional. Além disso, outros fatores como hereditariedade, alterações hormonais, inflamações, doenças metabólicas também podem causar o problema.

É possível identificar a  artrose por meio do seu sintomas. Quem apresenta um desgaste na cartilagem irá sentir a articulação dolorida, inchaço, falta de firmeza, redução de movimento, entre outros.
O paciente que notar esses sintomas deve imediatamente procurar o fisioterapeuta ou médico para iniciar o tratamento.
A artrose não tem cura, por isso, é importante começar o tratamento o quanto antes para a recuperação dos movimentos, aumento da flexibilidade e também do alívio da dor.

Exercícios em piscina terapêutica, técnicas de crioterapia e aplicação de compressas quentes podem contribuir para a redução dos sintomas.

A maior preocupação do fisioterapeuta no tratamento da artrose continua sendo com a postura dinâmica do paciente. É papel desse profissional corrigi-la para evitar a sobrecarga na articulação.

Além disso, o tratamento ainda pode contar com ajuda de aparelhos como ultrassons, ondas curtas, laser, magnetoterapia e técnicas manuais como liberações miofasciais, mobilizações articulares ou fortalcimento.

Se a fisioterapia não conseguir um progresso e o caso do paciente for grave pode ser necessário a indicação de uma intervenção cirúrgica para a colocação de prótese.

 

Estar acima do peso piora artrose no joelho

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) quase 60% dos brasileiros estão acima do peso ideal. E esse número preocupa não pela aparência física, mas sim pelas doenças que podem ser agravadas pelo sobrepeso, como a artrose no joelho.

A osteoartrose ou artrose é diagnosticada quando há uma degradação lenta, porém progressiva, da cartilagem articular, que é um tecido elástico que amortece os impactos dos joelhos.

A doença é tão comum que representa de 30% a 40% de todas as consultas em ambulatórios de reumatologia, além de afastar 7,5% dos trabalhadores, segundo o Ministério da Saúde.

A artrose nos joelhos afeta mais a população acima dos 55 anos, sendo que as mulheres estão, por natureza, na classe de risco, devido às alterações hormonais.

A obesidade é um dos fatores que pioram o quadro da doença, já que devido à deterioração das células surgem fissuras na cartilagem que podem chegar aos ossos e então, esses ossos não conseguem mais suportar a carga de peso do corpo e tendem a crescer dos lados ou até mesmo limitar o movimento do paciente, ocasionando ainda inflamação e dor.

Os principais sintomas de artrose no joelho são dor, sensação de rigidez e estalos nas articulações.

Apesar de muitas pessoas não procurarem ajuda por acreditarem que não é possível lidar com o problema, elas estão enganadas. A fisioterapia, assim como a perda de peso e o uso de medicamentos vão controlador a dor, estabilizar o quadro e evitar até uma cirurgia para colocação de prótese.

Durante as sessões de fisioterapia o profissional irá fortalecer o músculo que consequentemente irá melhorar a articulação, além de amenizar a dor e trazer de volta os movimentos perdidos ou amenizados devido à patologia.

A artrose nos joelhos é uma doença que não tem cura, mas com o tratamento ideal o paciente consegue um convívio saudável com o problema.