Fortalecimento de joelho – Como Fortalecer o Joelho?!

Pode não parecer inicialmente, mas o fortalecimento muscular é algo muito importante para o bem-estar geral do corpo de qualquer indivíduo. Afinal, os músculos são a base do movimento do corpo, geram estabilidade e movimento das articulações e consequentemente garantem a locomoção.

Os joelhos são como as engrenagens de uma máquina. Se não são bem cuidadas ou lubrificadas, essas engrenagens se tornam obsoletas, desgastadas e acabam por apresentar problemas para movimentação. No corpo, os problemas se manifestam por meio da dor, inchaço, rigidez, vermelhidão, dentre outros. Como o joelho está sujeito à movimentação constante e de forma repetitiva, essa região está grandemente exposta à doenças e lesões. É aqui que entra a importância do fortalecimento do joelho: uma vez executado, o indivíduo consegue prevenir boa parte dos transtornos possíveis nessa articulação.

Neste texto, iremos apresentar toda a anatomia do joelho, os problemas possíveis e o modo de prevení-los. Acompanhe!

 

Anatomia do joelho

 

O joelho é uma das estruturas mais fortes e complexas do sistema músculoesquelético do corpo humano. Formado por uma série de ligamentos, ossos, cartilagens e mais, essa região é também uma das mais exigidas no dia a dia. São três os ossos que compõem a articulação do joelho: a patela, a tíbia e o fêmur.

A patela, conhecida anteriormente como rótula, é o osso que cobre e protege a superfície frontal do joelho. É possível senti-la ao tocar a perna e palpar seu contorno quase circular. A patela se articula com o fêmur, que é osso mais longo do corpo humano. Ele fica localizado na região da coxa e é um dos responsáveis por sustentar o peso corporal. A tíbia é conhecida popularmente como canela e além de se articular com o pé, através da articulação do tornozelo, também é responsável pela sustentação do corpo.

Além dos ossos, o joelho conta com inúmeros ligamentos. Ligamentos são estruturas fibrosas muito semelhante a cordas. Sua função é conectar um osso ao outro, de modo a promover estabilidade entre eles. Eles também evitam o excessivo deslizamento de uma estrutura sobre a outra, o que o evita a sensação de falseio e desequilíbrio. Entre os ligamentos mais conhecidos do joelho, destacam-se o: Ligamento Colateral Medial; Ligamento Colateral Lateral; Ligamento Cruzado Anterior e o Ligamento Cruzado Posterior.

Outra estrutura extremamente importante no joelho são os meniscos. Cada joelho possui dois meniscos: o medial, que é mais fixo e propenso a lesões; e o lateral, relativamente mais móvel que o outro e localizado na parte mais externa do joelho. Os meniscos são estruturas fibrocartilaginosas que  ampliam a área de contato entre o fêmur e a tíbia e protegem os ossos, separando-os e evitando que eles se atritem. Além dessa função, são responsáveis por aumentar as estabilidade dos ossos do joelho, bem como absorver choques mecânicos.

Além das estruturas ja mencionadas, na articulação no joelho também existem a cápsula articular e a membrana sinovial. A primeira é uma membrana resistente que envolve a articulação. Ela se une a ligamentos e está associadas ao ligamento patelar. Este ligamento une o fêmur à patela e é responsável por estabiliza-la no centro da articulação do joelho. Já a membrana sinovial é o revestimento interno da capsula articular e é responsável por produzir o chamado líquido sinovial. Essa substância é encarregada de lubrificar as articulações e permitir seu movimento pleno e indolor.

 

Músculos e protetores

 

Outras estruturas presentes e essenciais para o movimento do joelhos são os músculos dessa área. Estes são conhecidos como estabilizadores ativos, pois apresentam capacidade de contração e isso gera, de forma ativa, controle do movimento, coordenação e atenuação de cargas. Fazem parte dessa composição o Músculo Tensor da Fáscia Lata; os músculos da pata de ganso (músculo sartório, que tem forma de S, o grácil e o semitendíneo); os músculos Isquiotibiais, composto por bíceps, semimembranoso e semitendíneo; Músculo Poplíteo e o Gastrocnêmio.

Finalmente, o joelho conta com inúmeras terminações nervosas que permitem a sensação do tato, calor, frio, dor e outros. Dentre todos, os nervos femoral e isquiático são considerados os mais importantes. Eles saem da porção final da coluna e ficam localizados acima do joelho. O isquiático se divide posteriormente para formar os nervos fibular e o tibial, responsáveis pela inervação da canela. Todas essas estruturas são essenciais para o movimento da perna.

 

Por que fazer o fortalecimento dos joelhos?

 

A prática de atividades físicas é algo muito importante para o bem-estar geral do corpo. Por meio dela é possível eliminar fatores de riscos para doenças e fortalecer o corpo, melhorando inclusive a produção de hormônios e substâncias ideais ao ser humano. A importância é tanta que esse é um tema constantemente tratado pelos profissionais da saúde, assim como pela mídia. Pense, por exemplo, sobre quantas vezes você ouviu falar sobre isso na TV – muitas, não é verdade?

No entanto, há inconvenientes: se realizados de forma exagerada ou incorreta, os esportes podem provocar diversas lesões. Principalmente nos joelhos, que são articulações sujeitas a demandas tão altas durante a movimentação. É por isso que anualmente o Brasil registra 150 mil casos de afastamento do trabalho devido a dores e problemas nos joelhos. Os dados são do Ministério da Saúde.

Dessa forma, é fundamental oferecer cuidados ao joelho. Tanto no dia a dia, para um simples caminhar, quanto no momento de realização da prática de esportes. Para tanto, destaca-se, dentre outras coisas, o fortalecimento do joelho.

Ao fortalecer os músculos envolvidos nessa região o indivíduo dá maior estabilidade à articulação, que é uma das mais importantes responsáveis pela dissipação de energia cinética dos membros inferiores. Isso quer dizer que, sem ela, o movimento de locomoção das pernas fica extremamente prejudicado. É por isso, aliás, que quando há uma lesão ou doença no joelho torna-se tão difícil e doloroso andar. Se há fraqueza no joelho, a energia cinética não é bem dissipada. Logo, a locomoção torna-se mais árdua. Ao mesmo tempo, a região sofre sobrecarga, o que pode resultar em consequente desgaste das estruturas, podendo evoluir para doenças mais graves.

 

Problemas no joelho

 

Entre os problemas mais comuns que acometem nos joelhos destaca-se a inflamação por artrite. A doença ocorre por meio de uma infecção por agentes externos ou então por situação autoimune. Em ambos os casos, o indivíduo afetado percebe a sensação de dor, rigidez da perna, calor no joelho, sensibilidade e vermelhidão da região. No caso de infecção por bactérias ou outros microorganismos, há ainda a ocorrência do acúmulo de pus na articulação.

Já a artrose acontece quando a cartilagem do joelho está desgastada. Esse desgaste é algo natural do corpo e por isso essa doença é mais comum entre pessoas idosas. No entanto, fatores como fraqueza ou sérios desequilíbrios musculares, lesões prévias e mal tratadas no joelho, maus hábitos de movimentação e impactos diretos, podem provocar essa degeneração.

Outra doença comum nessa articulação é a bursite, uma inflamação das bursas. As bursas são bolsas de líquido sinovial presentes no joelho. Quando há sobrecarga nessas estruturas e superprodução desse líquido, que pode ocorrer por uma série de fatores, as bolsas incham e isso tende a provocar dor local.

Além dessas condições, há também a Síndrome da Dor Femoropatelar (SDFP). Ela acontece quando há sobrecarga da articulação entre o fêmur e a patela e os principais sintomas são a dor na região da frente do joelho, sobretudo em situações que envolvem descarga de peso como subir e descer escadas, agachar saltar e correr. Esta condição costuma ser associada com a condropatia patelar, que tem como característica o amolecimento ou fissuras na cartilagem que recobre a patela. Mas vale a pena lembrar que mesmo que tem condropatia patelar, pode não ter dor anterior no joelho ou vice e versa.

A gota e a pseudogota são também recorrentes, e podem surgir devido ao acúmulo de cristais de ácido úrico microscópico e de cristais de pirofosfato de cálcio na articulação, respectivamente.

Há ainda a possibilidade de surgimento do cisto de Baker, um acúmulo de líquido sinovial “extra” na região do joelho. Ele aparece na parte de trás da articulação e provoca um inchaço de grande sensibilidade.

A lista de problemas é grande e inclui ainda lesões nos ligamentos, outros tipos de desgastes das cartilagens, a sinovite e diversos outros. Na maior parte das situações, o cuidado e fortalecimento do joelho é uma ótima medidas para a prevenção e tratamento destas questões.

 

Tipos de exercícios

 

Uma das principais formas de promover o fortalecimento do joelho é realizar exercícios localizados que até podem iniciar com baixa intensidade, mas devem evoluir para intensidades mais altas a ponto de gerar uma certa fadiga muscular.

Uma forma interessante e bem indicada de exercício é o que utilizada a contração isotônica. A contração isotônica é aquela em que os músculos, ao se movimentarem, se encurtam e se alongam. Ela provoca o aumento da área muscular e seu consequente fortalecimento. Nesse sentido, podem ser realizadas atividades como a musculação, que possui bastante eficácia para este fim.

Além do fortalecimento do joelho como forma de prevenção aos problemas, os exercícios podem e devem ser realizados para o tratamento de doenças e lesões pré-existentes. Nessa situação, a orientação com um profissional da saúde bem qualificado é ainda mais importante. Afinal, o esporte  ou exercício realizado de forma incorreta poderá aumentar a gravidade do problema, ao invés de saná-lo.

Outra forma bem indicada de exercícios são os aeróbicos, atividades que utilizam o oxigênio no processo de geração de energia dos músculos, trabalhando-os de forma rítmica. Entre as possibilidades estão a caminhada, natação, hidroginástica e bicicleta ergométrica. A prática desses esportes deve ser realizada inicialmente por poucas vezes na semana e deve contar com evolução bastante gradual de maneira que o organismo tenha chance de se acostumar com o aumento das cargas. A duração dos exercícios, no entanto, deve aumentar conforme o ganho de condicionamento físico do indivíduo. Algo gradual, e de preferência realizado com intensa orientação do fisioterapeuta. Esse cuidado de acompanhamento por um especialista vai garantir que o corpo ganhe adaptaçÃo e seja beneficiado com os exercícios da forma correta.

Independentemente do momento de execução das atividades, o paciente deve utilizar tênis confortável e específico para a prática esportiva. Os bons acessórios do mercado são desenvolvidos para diminuir os impactos mesmo sob exercício físico intenso. Os modelos são, inclusive, direcionados para esportes específicos: os para caminhada e corrida são leves e flexíveis; para o basquete, o melhor é um sapato com sustentação lateral e assim por diante.

 

Exercícios indicados

 

O tipo de exercício ideal deve ser definido de acordo com o estado de saúde do indivíduo e seu tipo físico. Há, de qualquer forma, atividades bastante interessantes para o fortalecimento do joelho, que são geralmente indicadas. nesse sentido destaca-se o agachamento livre: a atividade atua bem sobre as coxas e nádegas, e se feita corretamente, pode ser ideal para o fortalecimento dessas regiões. Para a realização correta é necessário que o indivíduo mantenha seus pés afastados de forma paralela, com a coluna ereta e as mãos para a frente, Em seguida, ele deve se agachar contraindo o abdômen e mantendo os joelhos em paralelo, deslocando os quadris para trás, coo se fosse senta-se em um banco relativamente baixo.

O Afundo, por sua vez, funciona como um agachamento feito a cada hora com uma perna. Funciona assim: primeiro, o sujeito deve colocar uma das pernas à frente do corpo, descer flexionando os dois joelhos, mantendo a segunda perna atrás, num ângulo aproximado a 80-90º de quadril e joelho. Em seguida, retorna-se à posição inicial e realiza-se o movimento com o apoio na outra perna. Associado ao Afundo, é interessante realizar o Avanço. A prática consiste em esticar a perna dando um passo longo à frente, sem curvar o tronco. Ambas podem ser realizadas ou não com o auxílio de pesos de mão.

Outra possibilidade é o chamado LegPress. O exercício é feito em um aparelho específico das academias, em que o esportista faz o levantamento de peso usando as pernas. Há também o exercício de extensão do joelho em cadeira extensora, em que o principal músculo trabalhado é o quadríceps.

Outro exercício comum é o  Stiff. Este trabalha os músculos posteriores da coxa e do glúteo. Ele é realizado por meio do levantamento de peso com as duas mãos, mantendo os joelhos semi-flexionados durante todo o ciclo do movimento. Pular corda tem efeitos igualmente interessantes para o corpo, e pode ser mais divertido para quem não gosta muito de exercícios na academia.

 

Venha para o Instituto Trata!

 

Para o fortalecimento do joelho, a prevenção ou tratamento de lesões e doenças, o Instituto Trata é um dos líderes do mercado. Com métodos baseados em mais de 60 publicações científicas, o instituto promove o bem-estar completo do paciente, com atendimento personalizado e cheio de tecnologia.

Para facilitar o diagnóstico e percepção dos efeitos de um tratamento, por exemplo, o Instituto Trata conta com especialistas em joelho e quadril. A avaliação do paciente é realizada com a ajuda de um sistema 2D, que permite detectar as mínimas alterações na funcionalidade do joelho.

Com o diagnóstico realizado, o paciente obtém atendimento direcionado e específico ao seu condicionamento físico e situação. Todo o tratamento é feito com base no alinhamento biomecânico do corpo. Tudo isso melhora muito o resultado da intervenção do ortopedista. Os tratamentos são geralmente conservadores, e requerem a cirurgia no joelho apenas se o indivíduo não responde bem à intervenção fisioterápica, ou se sua lesão é bastante grave.