O que é derrame no joelho?

 

Conhecido popularmente como “água no joelho”, o derrame no joelho nada mais é do que o acúmulo ou aumento do volume de líquido dentro dessa articulação.

Grande parte das articulações do corpo são envolvidas por uma cápsula (cápsula sinovial) que, por sua vez, é revestida internamente por uma membrana chamada membrana sinovial. Dentre outras coisas, esta tem a função de produzir o chamado líquido sinovial. Este é um líquido viscoso que tem a propriedade de lubrificar as estruturas articulares, reduzindo o atrito entre elas. Ele é transparente ou com uma cor amarela pálida e sua quantidade varia entre 2 a 3,5 ml. Diante de uma disfunção no joelho essa quantidade pode chegar a 20, 80 ou, até mesmo, 100 ml, o que causa dor e desconforto nessa articulação.

Quando ocorre uma inflamação da membrana sinovial ou estresse excessivo nessa estrutura, o processo de produção e absorção do líquido sinovial sofre um desequilíbrio e, como resultado, a articulação se enche de líquido. Além disso, diante de um trauma, que pode resultar em sangramento ou de uma infecção, que está associada a presença de pus, a articulação também fica inchada e a isso se da o nome de derrame articular.

 

De forma geral, o derrame articular é mais frequente no joelho devido ao uso excessivo desta articulação durante a prática de atividades diárias ou esportivas. Porém, vale ressaltar que derrame pode surgir em qualquer articulação do corpo como tornozelo, ombro, quadril e outras.

 

Quais os sinais e sintomas do derrame no joelho?

 

joelho-inchadoOs sinais e sintomas podem variar de acordo com alguns fatores como a quantidade de líquido acumulado, se existe a presença de sangue ou pus e também de acordo com a intensidade das atividades realizadas pelo indivíduo. Em alguns casos, o líquido pode ser absorvido gradativamente pelo próprio organismo, mas em outros, esse líquido fica acumulado por longos períodos de tempo dentro da articulação  e se tiver substâncias como sangue ou pus, por exemplo, passa a ser lesivo à cartilagem articular e pode provocar sua degeneração. Isso tende a causar mais dor e dificuldade para movimentar o joelho.

O sintoma mais comumente associado ao derrame é a dor. Isso porque a cápsula que envolve a articulação é repleta de terminações nervosas livres, estruturas responsáveis pelo envio da informação de dor ao cérebro. Uma vez que o volume de líquido intra-articular aumenta, a cápsula é tensionada e essas estruturas são estressadas, o que faz com que imediatamente seja desencadeada a sensação de dor local. Pelo mesmo princípio, assim que o edema reduz, a sensação de dor tende a aliviar.

De forma geral, os principais sinais e sintomas do derrame no joelho são:tendinite-patelar

  • Inchaço e dor na articulação afetada;
  • Muitas vezes calor e vermelhidão na articulação;
  • Dificuldade para movimentar a articulação acometida (principalmente para dobrar);
  • Perda de volume muscular (sobretudo do quadríceps) e sensação de fraqueza da musculatura e instabilidade em volta do joelho .

 

Quais as causas do derrame no joelho?

 

O derrame articular nada mais é que a consequência de algum distúrbio e o que provocou o derrame no joelho deve ser imediatamente identificado, pois isso é fator fundamental para se determinar o melhor tratamento para essa condição.

Existem inúmeros fatores relacionados à origem do derrame, mas normalmente este está ligado a pelo menos uma de quatro grandes causas: Trauma agudo sobre o joelho, infecção, doença crônica e inflamação dos tecidos do joelho por sobrecarga.

 

  • Traumas: Traumas agudos como queda, pancada durante um jogo ou mesmo tudo-sobre-o-joelho m entorse no joelho podem provocar lesão e consequentemente inflamação de estruturas dessa articulação como osso, menisco ou ligamentos. Isso, aumenta o volume de líquido dentro do joelho. Muitas vezes o trauma pode causar a ruptura de alguns vasos sangüíneos e nesse caso ocorre também o acúmulo de sangue dentro da articulação, conhecido como hemartrose. As causas mais frequentes para hemartrose aguda, após lesão traumática são: Ruptura do ligamento cruzado anterior ou posterior, lesão periférica de menisco, fratura intra-articular ou ruptura da porção mais profunda da cápsula
    articular,

 

  • Infecções: quando um agente infeccioso ( bactéria , vírus , fungo ) tem acesso à articulação do joelho e ali se prolifera, é desencadeado um processo infeccioso. Esse quadro recebe o nome de pioartrite ou artrite séptica e é perigoso, podendo levar à destruição da cartilagem e sequelas graves, caso o tratamento adequado não seja realizado o quanto antes . Um dos sinais mais precoces desse processo infeccioso é o inchaço da articulação (com a presença de pus) e comumente pode estar associado a presença de calor local e dificuldade para movimentar o joelho (dobrar e esticar). Atenção: Inchaço repentino, dor intensa no joelho e febre são sinais de artrite séptica.

 

  • Doenças crônicas ou processos reumáticos: As doenças reumatológicas são também chamadas de doenças auto-imunes e tem como característica principal o fato das células de defesa do indivíduo atacarem células do seu próprio corpo, como se fossem agentes estranhos. Quando esse processo ocorre na articulação, uma das estruturas afetas é a membrana sinovial, que produz o líquido articular. Isso provoca a inflamação desse tecido (sinovite) e, muitas vezes, o desgaste da cartilagem, que cursa frequentemente com inchaço do joelho. Algumas das doenças reumáticas mais comuns são a gota, artrite reumatóide e o  lúpus . A gota, em especial, é caracterizada pelo aumento do ácido úrico no sangue e isso pode causar inchaço e deformidades nas articulações (o joelho é comumente acometido nesta doença).

 

  • Sobrecarga/esforço: Esforços repetitivos ou a execução de uma atividade que gerou sobrecarga na articulação do joelho como excessivo aumento de peso em um exercício na academia ou aumento exagerado do volume do treino de corrida ou demais esportes, também pode inflamar estruturas da articulação do joelho e como resultado dessa inflamação, pode ser observado o derrame articular.

 

Doenças à distância como é o caso de infecção intestinal por salmonelose ou mesmo uma infecção genito-urinária, como é o caso da gonorreia, podem provocar derrame articular no joelho. Esse casos recebem o nome de artrites reativas.

Como fazer o diagnóstico?

 

Durante o exame físico, o profissional da saúde é capaz de identificar facilmente a presença do derrame pois ele, normalmente, é bem evidente. Nesse momento são feitos testes para detectar se a causa do edema tem relação com a lesão de alguma estrutura intra-articular. Além da avaliação física, um exame de imagem bastante útil para se diagnosticar o edema dentro da articulação é a ressonância magnética.

prótese-joelho

Já o diagnóstico relacionado à causa do derrame é feito comumente por meio da análise do líquido sinovial. Para isso é retirado uma quantidade de líquido do joelho por meio de uma punção (artrocentese) e essa amostra é mandada para um laboratório para que seja analisado o aspecto, a quantidade de células, viscosidade, presença de cristais, proteínas ou agentes infecciosos. Associado a isso, outros exames podem ser solicitados de acordo com a suspeita da causa do problema.

o aspecto do líquido sinovial retirado do joelho pode variar de acordo com a doença que causou o edema:

-Líquido amarelado: normalmente relacionado à doenças reumatológicas;

-Líquido com aspecto esbranquiçado ou leitoso: relacionado à doenças infecciosas;

-Líquido incolor, de aspecto quase normal: Inflamações leves, normalmente relacionadas a artrose;

-Líquido de aspecto vermelho: Traumas, que normalmente estão relacionados a lesão com extravasamento de sangue na articulação.

 

Tratamento do derrame articular

 

O tratamento do derrame é baseado, sobretudo, na descoberta da causa do mesmo. Isso possibilita um tratamento mais eficaz e direcionado para a doença  de base. Entre as medidas mais comumente utilizadas para controlar o edema, destacam-se:

– Crioterapia/bolsa de gelo: realizada com bolsas térmicas de borracha ou simplesmente com cubos de gelo dentro de um saco plástico, a crioterapia tem excelentes resultados no controle do inchaço do joelho. Sobretudo quando a causa do derrame é traumática, associa-se a aplicação do pacote ou bolsa de gelo com a compressão do mesmo sobre o joelho e a elevação do membro inferior acometido. Além de ajudar a controlar a formação do edema, a crioterapia é bastante eficaz para a redução da dor e do processo inflamatório. O efeito analgésico do frio é um dos seus maiores benefícios e isso acontece porque o frio provoca uma diminuição da velocidade de condução do nervo, tornando menor a sensação de dor.

Deve-se tomar bastante cuidado ao fazer gelo na região posterior do joelho( de trás ), pois este é um local por onde passam vasos e nervos importante.

– repouso articular da articulação. Não é incomum que seja prescrito imobilizadores ou muletas para poupar o movimento e a carga no membro inferior que apresenta o edema. Isso porque a sobrecarga do dia a dia pode ser um fator estressante para essa articulação, o que pode desencadear constantemente o extravasamento de líquido intra-articular. Vale lembrar que quanto menor o tempo de imobilismo, melhor, pois este implica diretamente na perda de massa muscular e força dos músculos em volta da articulação e isso também passa a ser um fator estressante com o passar do tempo.

– medicamentos anti-inflamatórios. Estes devem ser prescritos pelo médico, após exame físico e muitas vez radiológico também.

– punções na articulação (artrocentese). Quando o edema é bastante volumoso, pode ser realizada a chamada punção de alívio. neste procedimento é retirada boa parte do líquido excedente através de uma agulha e seringa. A punção também pode ajudar no diagnóstico, uma vez que pode nos indicar , através das características do líquido retirado, qual a possível causa da condição de base que causou o derrame. nesse sentido, quando observado pus no líquido retirado,  um diagnóstico plausível pode ser uma infecção bacteriana, já uma punção com sangue pode sugerir a lesão de um ligamento e, por fim, uma punção com cristais pode ser sugestiva de uma crise de gota.

Além disso, recurso manuais e eletrofototerapeuticos utilizados por fisioterapeutas tem excelentes resultados na redução do edema. Dentre eles destacam-se a drenagem linfática, o Ultra-som e corrente diadinâmicas de Bernard (CDB).

 

Passo a passo para fazer a terapia com o gelo:

 

Para um melhor resultado, preconiza-se não fazer uso de bolsas de gel ou de toalhas frias.

Uma das melhores formas de aplicar o gelo é através de pacotes de gelo (sacos plásticos com cubos de gelo dentro) ou de bolsas térmicas nas quais os cubos possam ser colocados.

Passo 1: Coloque cubos de gelo picados dentro da bolsa ou saco plástico;

Passo 2: Antes de amarrar o saco com gelo, retire todo o ar para que a temperatura seja mantida por mais tempo;

Passo 3: Aplicar o pacote com gelo no local do edema, certificando-se de que ele está acoplado na maior área de contato possível. Para proteger a pele, sugere-se colocar uma interface bem fina, pois quanto mais grossa esta for, menos eficaz é o resfriamento local e consequentemente menor o resultado da terapia;

Passo 4: Amarre o pacote com uma atadura ou algo que seja suficiente para provocar compressão do mesmo sobre o joelho;

Passo 5: Eleve o membro inferior acometido acima do nível do coração e deixe o gelo agir por cerca de 30 minutos (não mais que isso). Lembre-se: Se aplicado por muito menos que 3o minutos, o gelo não fará o efeito desejado.

O procedimento pode ser repetido com intervalos de 2 a 3 horas entre as aplicações.