Você sabe que tipo de lesões a pisada supinada pode causar?

Pisada supinada é aquela que tem como característica o uso da parte externa do pé para dar o impulso na hora da passada. Nela, o dedo mínimo é que finaliza o movimento de impulsão e o contato com o solo é maior com o lado externo do pé.

Pessoas com pé cavo, caracterizado por um arco plantar excessivamente alto, são as que desenvolvem esse tipo de pisada, a menos comum entre os três tipos – as outras duas são neutra e pronada.

O que poucos sabem é que a pisada supinada aumenta o risco de algumas lesões, exatamente por conta da altura do arco plantar. “Devido ao aumento exagerado deste arco plantar, há uma retração da fáscia que pode levar a lesões como fascíte ou até mesmo predispor a entorses de tornozelo. Toda alteração, como a supinação excessiva, que leva a um desalinhamento do padrão ideal, gera mais sobrecarga, principalmente na região da borda lateral do pé”, diz Thiago Fakuda, diretor-clínico do Instituto Trata.

Lesões no joelho também são mais comuns em quem tem pisada supinada. “Com a curvatura para dentro, há mais chances de lesões no joelho, pois o atleta sofre maior impacto na parte externa”, explica Moisés Cohen, diretor do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte.

As lesões mais comuns para esse tipo de pisada são: fascíste plantar, entorses no tornozelo, sobrecarga no joelho, tendinite na tíbia e no calcâneo, formação de calos e, em menor escala, problemas no quadril.

Para evitar problemas decorrentes da pisada supinada é preciso prevenir-se. “De forma inicial, o corredor deve fazer um exame de baropodometria, que faz uma análise da pisada por meio de sensores. Com isso, procurar a confecção de palmilhas para o tipo de pisada pode ser uma boa solução, pois ela ajudará a distribuir a carga na planta do pé”, aconselha Moisés Cohen.

Além disso, é importante procurar um especialista em reabilitação para detectar problemas ou distúrbios do movimento caso você venha sentindo incômodos e dores. “Iniciar um programa de relaxamento e alongamento da fáscia plantar e músculos da panturrilha é uma boa ideia. Exercícios de fortalecimento do quadril (glúteos), coxa e, principalmente, músculos ao redor do tornozelo, são essenciais”, finaliza Fakuda.

Por fim, é sempre aconselhável procurar um tênis feito para sua pisada. Caso não se adapte, um tênis com pisada neutra, mas com uma palmilha especial para o seu pé pode ser a solução.

 

Acesse o link do Portal Ativo.com: https://www.ativo.com/saude/lesoes-que-pisada-supinada-pode-causar/

Atualmente é diretor-clínico do Instituto TRATA – Joelho e Quadril.

Graduado em Fisioterapia no ano de 2001 e Especialista (pós-graduação) em Fisioterapia neuro-musculo-esquelética pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – ISCMSP (2003)

Mestre em Engenharia Biomédica pela Universidade de Mogi das Cruzes – UMC (2006)

Doutor em Ciências pelo programa de Cirurgia e Experimentação da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP (2011)

Pós-doutorado (post doc) em Biomecânica pela University of Southern California – USC (2013)

Docente da graduação do Centro Universitário São Camilo – CUSC e Fisioterapeuta da Seleção Brasileira de Futebol Feminino

Foi Professor Adjunto da pós-graduação em Fisioterapia musculo-esquelética – ISCMSP e Supervisor do Grupo de Joelho, Quadril, Traumatologia Esportiva e Ortopedia Pediátrica – ISCMSP

Vencedor dos prêmios EXCELLENCE IN RESEARCH AWARD pelo melhor artigo publicado no ano de 2010 e EXCELLENCE IN CLINICAL INQUIRY no ano de 2011 no Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy (JOSPT).

Membro da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (SONAFE). Tem mais de 60 publicações nacionais e internacionais com ênfase em Reabilitação em Ortopedia e Traumatologia, Joelho e Quadril, Traumatologia esportiva e Eletrotermofototerapia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *