Rotação do quadril

A rotação do quadril é um movimento normal dessa região. Mas você conhece a estrutura do quadril? E seus diversos movimentos? Sabe que há perigos na má rotação dessa articulação? Acompanhe esse texto e descubra tudo sobre esses assuntos!

Anatomia do quadril

O quadril é uma grande articulação que liga o tronco e os membros inferiores do corpo. Ela possui formato semelhante a uma colher pegadora de sorvete. Pensando deste modo, a cabeça femoral, esférica, é o sorvete e o acetábulo, que tem forma de taça, a colher.

A principal característica do quadril é sua estabilidade e sua amplitude de movimentos. Ele permite que a bacia gire, assim como garante que os membros inferiores façam o mesmo. Por isso os tipos de movimentos das pernas são tão variados. É o quadril também que dá estabilidade a todos esses movimentos,  tornando fácil caminhar, agachar, pular e mais.

Resultado de imagem para quadrilEssa área do corpo é formada pela cabeça do fêmur e pela cavidade do acetábulo. A cavidade do acetábulo é a junção entre os três ossos que compõe a pelve, ilíaco, púbis e ísquio. É graças à união desses ossos que cria-se a cavidade da região, popularmente conhecida como bacia.

Devido à sua característica reprodutiva, a mulher possui pelve mais larga do que o homem. Logo, a forma da pelve feminina é triangular, enquanto a do homem é arredondada.

São três as articulações do quadril: a sinfisiana, ou sínfise púbica; a coxofemoral e a sacro-ilíaca, que consiste na união entre o osso sacro e os dois ilíacos.  Essas articulações têm estrutura fibrocartilaginosa, e permitem o movimento da região. 

Músculos e nervos

Além desses, existem os músculos. O quadril é cercado por músculos que permitem seus mais variados movimentos. As estruturas são bastante potentes, de modo que podem suportar toda a carga do tronco e dos membros inferiores.

Por fim, há os nervos, que garantem a sensibilidade e resposta aos movimentos. Há três grandes troncos nervosos na região, que se desenvolvem em direção às pernas. O primeiro é o nervo Ciático, localizado na parte de trás da pelve e coxa. Já o nervo Femoral, passa pela parte frontal do quadril e da coxa. O nervo obturatório desce pela face medial da coxa.

Movimentos do quadril

Se você já sofreu algum impacto no quadril, provavelmente percebeu efeitos pelo corpo. Mais do que a dor especificamente na área, quem sofre lesão na articulação demonstra dificuldade em realizar movimentos. Especialmente com os membros inferiores, uma vez que as pernas dependem do equilíbrio da área central do corpo.

Dentre os movimentos que podem ser limitados por um problema no quadril, está o de flexão, assim como o de extensão, abdução e rotações. Toda movimentação ocorre em diferentes eixos. O eixo lateral, por exemplo, permite a extensão e flexão do quadril. O eixo vertical garante que o indivíduo realize a rotação. Enquanto isso, o eixo ântero-posterior é o responsável pelos movimentos de abdução e adução.

Resultado de imagem para rotação do quadrilOs movimentos do quadril são definidos conforme seu ângulo de amplitude. Começando pela flexão: ela é o movimento que diminui o ângulo entre a coxa e a pelve. Assim, a amplitude de movimento articular vai de 0° a 125°.

Já a extensão é o aumento desse ângulo, sendo que a amplitude do movimento articular de hiperextensão de 0° a 30°. A abdução, por sua vez, afasta o segmento corporal da linha média. Aqui, a amplitude do movimento de 0° a 45°. Finalmente, o movimento de adução é o que ocorre ao “contrário” da abdução. Ou seja, faz a aproximação do segmento em direção à linha média do corpo. A amplitude articular, nesse caso, é de 0° a 30°.

Na circundação, todos os movimentos citados anteriormente são realizados. Afinal, o deslocamento acontece em movimento circular, deslocando o quadril em torno de um ponto fixo.

Rotação do quadril

No caso da rotação, são duas as movimentações possíveis. Na rotação interna, o movimento ocorre em torno  do eixo longitudinal. Isso leva o pé para o lado de dentro do corpo, em direção à outra perna. Na externa, o pé é direcionado para fora do corpo. Os ângulos de movimento são de 0° a 45° e 0° a 50°, respectivamente.

Quando o joelho está completamente estendido, ele não realiza nenhum movimento de rotação. Nesse caso, apenas o quadril é responsável pelo deslocamento.

Problemas que a rotação pode causar

Como explicado, a rotação do quadril é algo normal e corresponde apenas a movimentos comuns do quadril. Afinal, ele permite a movimentação do corpo em diversos aspectos. A movimentação incorreta da região, no entanto, pode provocar problemas. Tanto a excessiva rotação quando restrição desse movimento pode representar comprometimento do quadril.

Dessa forma, é fundamental ter atenção às “reclamações” do corpo. Dores, queimação e estalos não são comuns, e devem ser avaliados por um especialista. Os sinais podem indicar, por exemplo, a existência da bursite trocantérica.

A bursite é uma condição gerada pela inflamação da bursa. As bursas são pequenas bolsas, localizadas entre as estruturas que compõe as articulações. Elas produzem e armazenam o líquido sinovial, substância responsável por reduzir o atrito e melhorar o deslizamento entre as estruturas. 

Há situações, contudo, que a bursa passa a produzir o líquido em excesso, tornando-se maior. Uma das causa pode ser o impacto recorrente muito forte na estrutura. A inflamação gera dor na parte anterior e lateral do quadril, tal qual dificuldades de movimento. É comum, inclusive, que os sinais se agravam durante a noite. Isso provoca no indivíduo dificuldade em deitar e em se levantar da cama.

A tendinite também ocorre devido à sobrecarga do quadril. Nesse caso, porém, os tendões são os afetados. Semelhantes a cordas fibrosas, os tendões inflamam, causando dor e inchaço.

Artrose e principais sintomas de problemas no quadril

Outro problema comum no quadril é a artrose. A artrose acontece quando as cartilagens presentes entre as articulações se desgastam. Elas também são responsáveis por diminuir o atrito entre os ossos. Logo, quando a cartilagem do quadril é desgastada, o paciente percebe desconforto e dor na área.

O desgaste pela artrose ocorre de modo gradual. Isso significa que a cartilagem vai diminuindo ao longo dos anos, após certa recorrência de movimentos intensos demais ou incorretos. Sua origem ainda podem estar em fraturas e traumas, e a predisposição genética.

Nesses problemas, um dos movimentos mais prejudicados, sem dúvida, é A rotação interna do quadril. Quer dizer, o da possibilidade em “girar” a perna à parte de dentro da linha média do corpo. Por isso, o movimento de rotação é um dos principais testes realizados para o diagnóstico das condições do quadril. O médico costuma comparar o movimento entre os dois lados do corpo do paciente. 

Diagnóstico do desalinhamento

Além da avaliação citada anteriormente, o médico especialista realiza uma série de outros procedimentos para o diagnóstico de lesÃo de quadril em um paciente. Descobrir o problema, e se a rotação do quadril é sua causa, é fundamental para garantir o bem-estar do indivíduo.

Para isso, é comum que o médico faça uma avaliação com o paciente deitado e também em pé. A simples observação do sujeito pode indicar o desalinhamento do corpo. Nesse caso, é indicado comparecer ao consultório com roupas mais justas, que vão facilitar a visualização. Uma linha vertical imaginária deve passar pelo meio do corpo, dividindo igualmente quando você estiver ereto.

Definido o desalinhamento, o especialista vai se concentrar em conhecer a causa do problema. Apenas conhecendo a real razão do problema, ele poderá ser tratado. Entre as causas podem estar, por exemplo, as doenças já citadas. 

 

Tratamentos para problemas no quadril

Dessa forma, é importante marcar consulta com um  ortopedista assim que você perceber qualquer incômodo no quadril. Adiar o diagnóstico pode ser perigoso, pois deverá intensificar a causa da condição.

Com o diagnóstico realizado, os tratamentos vão variar. Variar de acordo com a causa e de acordo com a gravidade do problema. Para a maior parte das lesões, de qualquer forma, é indicado realizar exercícios físicos e fisioterapia. Tudo acompanhado por um especialista. Remédios para combater a inflamação e/ou a dor também costumam ser utilizados em fases iniciais.

Em casos mais graves, pode ser necessário realizar cirurgia corretiva. Nessas situações, o cirurgião poderá alterar a forma e o alimento do quadril. Isso vai melhorar a capacidade de movimento do indivíduo.

Dicas de exercícios

Mais do que a causa de problemas, no entanto, a rotação do quadril é algo muito utilizado no dia a dia. Em movimentos básicos, como o de mudar de direção, além de ser importante para realização de uma série de exercícios. É possível utilizar, por exemplo, de exercícios para a o glúteo. O glúteo é uma musculatura essencial para a estabilização e movimentação do quadril. Assim, o indivíduo pode praticar o afundo. Para isso, é necessário posicionar uma das pernas para trás.

 

Exercícios de rotação do quadril

O exercício de ostra tem o foco nos músculos rotadores laterais do quadril (glúteo máximo e piriforme, principalmente).
Para realizar-lo o paciente deve deitar de lado, com o quadril e joelho flexionados a 45 graus. Deve-se colocar uma faixa elástica ao redor dos joelhos e os pés devem estar apoiados um sobre o outro. O movimento consiste em abrir e fechar as pernas, sem encostar os joelhos. Inicialmente pode ser iniciado com 3 séries de 15 repetições, com 1 min a 2 min de intervalo entre elas.artroplastia-de-quadril

 

Outro exercício interessante e que pode ser usado como uma progressão do exercício de ostra é a marcha lateral. Consiste em posicione-se em pé com os pés ligeiramente mais afastados do corpo e afastados de acordo com a largura dos ombros e com uma faixa elástica envolta logo acima dos joelhos. Flexione ligeiramente os joelhos e incline o tronco para frente. Essa é a posição inicial. É pedido ao paciente que este dê uma passo médio para o lado com uma perna, em seguida que o mesmo siga com um passo curto com a outra, sentindo a resistência proporcionada pela faixa a cada passo.

De qualquer modo, a melhor alternativa é realizar exercícios e cuidar da rotação do quadril com o auxílio de um fisioterapeuta. Mesmo que você não tenha nenhum problema diagnosticado. A assistência de um especialista poderá garantir seu bem-estar durante todo seu dia a dia!