Síndrome do impacto no quadril: saiba como tratar

síndrome-impacto-quadrilA dor pode soar com um alarme para uma doença no quadril. A articulação do quadril é profunda e um impacto entre anterior entre as estruturas da cabeça do fêmur e acetábulo pode levar ao impacto femoroacetabular ou síndrome do impacto do quadril.
Esse impacto pode favorecer o surgimento de artrose em adultos jovens. Alterações anatômicas da cabeça do fêmur, hipermobilidade e desequilíbrio muscular são uma das causas do problema.
O desequilíbrio muscular  consiste numa ação exagerada dos músculos posteriores da coxa. Isso ocorre em movimentos que envolvem o agachamento, por exemplo.

Tipos de impacto

– Tipo Pincer: a causa é um excesso de cobertura acetabular na borda anterior. Essa alteração pode causar uma lesão do labrum e da faixa mais periférica da cartilagem acetabular.

– Tipo Cam: é resultado do contato repetitivo entre uma transição do colo-cabeça femoral contra o acetábulo. Isso pode causar uma degeneração da cartilagem articular devido a força de cisalhamento transmitida para a porção antero-lateral do acetábulo.

– Tipo Misto: representa mais da metade dos casos de impacto e também está associada aos dois tipos anteriores.

Sintomas
A maioria dos pacientes que apresentam o impacto femoroacetabular estão entre a terceira e quinta década de vida. A dor irradia para a região de dentro da coxa ou joelho, o que pode retardar o diagnóstico, pois a síndrome pode ser confundida com lesões musculares (distensões da coxa ou da virilha). A dor pode piorar após e durante atividades físicas.

Tratamento
O tratamento da síndrome pode ser feito com a fisioterapia e orientações na hora de praticar atividade física. O paciente deverá  evitar uma sobrecarga ou exercício e esportes de impacto que exijam flexão ou abertura no quadril. O paciente deverá ser avaliado periodicamente, e poderá fazer o uso de medicamentos eventualmente. A fisioterapia deve ser feita apenas como manutenção de mobilidade articular.