Condromalácia Patelar: Exercícios

Você já ouviu falar em condromalácia patelar? A prática de atividade física vem se intensificando a cada dia entre diferentes grupos de pessoas, com idade e variados graus de condicionamento, aderindo às mais variadas modalidades esportivas. 

Porém, nem sempre os adeptos de qualquer prática esportiva, seja ela com baixo ou alto impacto nas articulações, fazem exercícios corretos de alongamento e fortalecimento das estruturas ósseas, musculares e ligamentos, o que poderia prevenir uma série de problemas. 

Infelizmente, junto com o crescente grau de atividade física, também vem crescendo o número de lesões causadas por falta de condicionamento adequado, ou de fortalecimento das estruturas que envolvem as articulações. 

Com isso, lesões no joelho acabam sendo frequentes em corredores, além de outros grupos de praticantes de atividade física. 

Dentre essas lesões, a Condromalácia Patelar é uma lesão bem frequente que acomete os joelhos. Vamos saber mais sobre essa patologia. 

Entendendo a estrutura do joelho

Condromalácia Patelar: estrutura do joelho
para entender o que é a condromalácia Patelar é preciso entender a estrutura dos joelhos.

Para entender o que é a condromalácia patelar, é preciso entender como é a estrutura da articulação do joelho. 

O joelho é uma das articulações mais importantes do organismo, pois graças a eles, é possível realizar os movimentos de flexão da perna, bem como ele suporta, junto com músculos e ossos, a estrutura da parte superior da coxa e do corpo. 

No joelho, há união dos ossos do fêmur (que é o osso da coxa), com tíbia e a patela, que é um osso, de formato triangular, localizado na região anterior do joelho.  

A patela se liga ao fêmur por meio da articulação fêmeropatelar e à tíbia, pela tibiofemoral. A patela se liga superiormente ao Quadríceps (músculo anterior da coxa) e lateralmente por meio do ligamento patelar (também chamado de tendão patelar).

A função da patela é auxiliar no movimento de flexão-extensão da perna, além da proteção das estruturas internas, sendo parte fundamental do chamado aparelho extensor do joelho. 

Pelo seu posicionamento, ela sofre ação de forças multidirecionais e quando todas estruturas musculares não estão equilibradas, a patela pode sofrer sobrecarga em sua face interna, que é revestida por cartilagem. 

O alinhamento dos membros inferiores também pode influenciar. 

A cartilagem permite o deslizamento da patela no fêmur, durante a flexão ou extensão do joelho, portanto qualquer alteração nas forças direcionadas à patela, bem como imperfeições ou alterações na superfície óssea, podem ocasionar lesões na cartilagem. 

O Que É Condromalácia Patelar? 

A Condromalácia Patelar é caracterizada por um "amolecimento" da cartilagem
A Condromalácia Patelar é caracterizada por um “amolecimento” da cartilagem

A Condromalácia Patelar é caracterizada por um “amolecimento” da cartilagem que reveste a face interna da patela, podendo resultar em rachaduras e até falhas na estrutura da cartilagem. 

É uma patologia que atinge até 33% da população adulta, porém pode chegar a 45% dos adolescentes. 

O diagnóstico é clínico, podendo ser comprovado por ressonância nuclear magnética. 

O principal sintoma é dor, na região retropatelar, sendo bem característica. Pode ser uma dor que o paciente apresente após uma corrida, ou depois de muito tempo sentado. Geralmente o paciente diz que “dói no meio do joelho”. 

As mulheres são o grupo mais propenso a desenvolver Condromalácia Patelar, isso devido a sua anatomia do quadril, uma vez que as mulheres têm isso pela possibilidade de terem filhos. As mulheres têm um ângulo Q maior, esse ângulo sendo formado pela junção da linha que vai do centro da patela até a tíbia e do centro da patela até a crista ilíaca superior, no quadril. 

Inicialmente, se as dores forem leves, o paciente não vai imediatamente em busca do Ortopedista ou Fisioterapeuta. Com a parada de atividade, a dor tende a desaparecer, mas a causa não é resolvida. Com o desenvolvimento da patologia, a dor aumenta e torna-se constante. 

A Condromalácia Patelar pode ser classificada em Grau I, II, III ou IV, mediante o nível de alteração ou destruição da cartilagem, podendo ir desde de amolecimento (grau I), afinamento (grau II), rachaduras (grau III), até exposição do osso subcondral (grau IV). 

Tratamento da Condromalácia Patelar

O tratamento para a Condromalácia Patelar pode ser feito através de fisioterapia e pilates.
O tratamento para a Condromalácia Patelar pode ser feito através de fisioterapia e pilates.

Uma vez realizado o diagnóstico da Condromalácia Patelar, é necessário instituir o tratamento. O mais importante é avaliar, inicialmente, o grau de lesão e buscar o alinhamento da patela, podendo associar fisioterapia com analgésicos e anti-inflamatórios dependendo dos sintomas apresentados pelo paciente. 

É importante também focar na causa do problema, justamente para que o sistema se recupere e não volte a acontecer. Pode-se avaliar se há necessidade de perda de peso pelo paciente, pois a redução do peso corporal alivia o estresse na articulação. 

Uma vez diagnosticado um caso grave e quando o procedimento conservador não apresenta resultado, pode-se optar pelo tratamento cirúrgico, para alinhamento patelar e tratamento da lesão na cartilagem. 

Clinicamente, pode-se também utilizar infiltrações com hialuronato de sódio para melhorar a nutrição e lubrificação articular. 

Tratamento conservador – Fisioterapia e Pilates

A fisioterapia é fundamental, pois atuará no fortalecimento e alongamento de alguns músculos, além da liberação miofascial da musculatura envolvida, bem como na melhora da postura e do movimento. 

Pilates é um tipo de exercício recomendado para quem apresenta Condromalácia Patelar, pois justamente irá trabalhar a musculatura que pode estar afetada, de maneira suave, não colocando tensão na região da patela afetada. 

Equipamentos de Pilates, como Reformer, Cadillac e Chair permitem que o paciente faça os exercícios sem precisar apoiar nos joelhos, ficando em decúbito dorsal. Além disso, por serem aparelhos com molas, há certa resistência no movimento, sem causar estresse na articulação. 

Instrutores de Treinamento Funcional também podem passar exercícios para pacientes com Condromalácia Patelar, usando a faixa, para fortalecimento.

Outros exercícios recomendados são as pontes, para fortalecimento dos músculos extensores do quadril e da coluna, além dos demais músculos que compõem o Core. Sempre optar por exercícios em cadeia cinética fechada, pois proporcionam maior estabilidade. 

Lembrando sempre que o importante é respeitar o que o aluno sente e seus limites, sobretudo em relação à dor. Nunca forçar o movimento e ir, aos poucos, progredindo na evolução. 

A prática de pilates, com exercícios envolvendo alongamento como Stretches Front, Sit Up, Roll Over Barrel, Spine Stretch, Tower e Hip Stretch, fazem com que haja alongamento da musculatura quadríceps femoral, isquiotibiais, sartório, grácil, gastrocnêmio e glúteo máximo; além de trabalhar mobilidade de quadril, joelhos e tornozelos. 

Cuidados Nos Exercícios Para Condromalácia Patelar 

É preciso ter cuidado ao fazer exercícios para a condromalácia patelar.
É preciso ter cuidado ao fazer exercícios para a condromalácia patelar.

As restrições na prática de exercícios para quem tem Condromalácia Patelar existem somente para que a dor não piore e para que não haja sobrecarga em uma região já afetada, portanto é importante observar: 

  • Evitar exercícios que tensionam os joelhos, fazendo o estiramento dos tendões do joelho. Exercícios que fazem o estiramento dos tendões dos joelhos são contra-indicados; 
  • Evitar exercícios na posição ajoelhada, pois isso pode levar à dor; 
  • Evitar exercícios que levem a impactos nos joelhos, como corrida ou saltos. 
  • Agachamentos, quando possível, devem ser evitados, pois levam à sobrecarga nos joelhos; 
  • Se o paciente é um atleta, talvez seja importante alertar sobre uma pausa enquanto durar o tratamento ou pegar bem mais leve nos treinos; 
  • O que é recomendado são treinos proprioceptivos e de equilíbrio, sempre de forma progressiva, aos poucos e nunca de maneira intensa. 

Conclusão 

Exercícios de Pilates e Fisioterapia são fundamentais para recuperação do paciente com Condromalácia Patelar. 

Um correto diagnóstico, inclusive com o grau de comprometimento é essencial para o estabelecimento do plano de tratamento. 

O paciente deve suspender atividades físicas intensas e seguir o tratamento adequado, com fisioterapia e exercícios. 

Pilates é bastante indicado, pois permite alongamento e flexibilidade, sem colocar estresse nas articulações. 

O fortalecimento da musculatura da coxa e do Core é essencial para a melhora da condição do paciente, agindo na causa e não somente nos sintomas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro + dois =