Dor na parte de cima do pé: diagnóstico e tratamento

O pé é formado por diversas estruturas e submetido à movimentação e impacto constantes. Assim, a dor na parte de cima do pé pode estar relacionada a inflamação nos ossos, tendões e outras causas. 

Por isso, o diagnóstico preciso é importante, para que o tratamento correto seja proposto. É importante também que o paciente siga o tratamento proposto e adquira novos hábitos, para que as dores nessa região não retornem com facilidade. 

Agendar sua Avaliação

Mas, o que pode ser a dor na parte de cima do pé? E qual o prognóstico dos diferentes quadros clínicos? É sobre isso que falaremos, confira! 

O que é a dor na parte de cima do pé?

mulher com dor na parte de cima do pé
A dor na parte de cima do pé pode estar relacionada à alguma inflamação dos ossos.

A parte de cima do pé é chamada dorso do pé. Ela é formada por pequenos ossos e alguns tendões. A causa mais frequente de dor nessa região é o trauma. Mas, outras causas também podem levar ao quadro de dor. 

O trauma leva à inflamação dos tendões na região de cima do pé, causando a tendinite. A tendinite é um fator frequente de dor no pé. Mas, outros fatores também podem estar presentes, como microtrincas nos ossos devido ao atrito constante das superfícies ósseas. 

Agendar sua Avaliação

No caso de fraturas ósseas, o pé deverá ser imobilizado até a consolidação da fratura. Botas ortopédicas podem ser indicadas. A seguir, o paciente poderá iniciar com a fisioterapia para retorno dos movimentos de forma lenta e gradual. 

Causas de dor na parte de cima do pé

mulher sentada no chão segurando um dos pés com dor na parte de cima do pé após correr
A dor na parte de cima do pé pode ser causada por diversas coisas diferentes, como a prática de exercícios.

Existem várias causas resultando em dor na parte de cima do pé. Vamos ver as principais. 

1 – Uso de sapatos apertados 

O uso de sapatos apertados por longos períodos pode provocar dor na região do dorso do pé. Nesse caso, sobretudo sapatos mais fechados, amarrados ou que comprimem a lateral do pé, fazendo com que o pé fique mais arcado, são os que mais levam à dor. 

Portanto, sempre opte por sapatos confortáveis, os quais não apertam o pé e que não levarão a desconforto durante o dia. 

2 – Atividades físicas intensas 

O que causa a dor na parte de cima do pé durante ou após uma atividade física intensa não é a atividade em si, mas o desalinhamento na mecânica do movimento. 

De fato, isso é bastante comum em atividades como a corrida, por exemplo. Com a repetição do movimento, tendo a musculatura, ossos e tendões desalinhados, a tendência é que a dor no dorso do pé apareça. 

Muitas vezes, essa dor é ignorada pelo praticante de corrida, que continua com seu treino, mesmo quando a dor aumenta, o que só piora o quadro. 

Dor nunca é bom sinal durante a prática esportiva. Embora exista o famoso ditado “no pain, no gain”, que significa “sem dor não há ganho”, a prática esportiva não deve ser mantida na presença da dor. 

A dor é um sinal do organismo que algo não está certo. Portanto, todo atleta amador ou profissional deve estar atento às dores que surgem, para buscar o diagnóstico e tratamento adequado para elas. 

Outro grupo bastante afetado pela dor na parte de cima do pé, devido à repetição do movimento de flexão, são as bailarinas e bailarinos. Quem pratica ballet deve constantemente manter o pé flexionado, o que leva à grande tensão na região do dorso do pé. 

Nesses casos, além do alinhamento perfeito, é essencial que praticantes de ballet façam alongamento e estejam sempre atentas (atentos) para o surgimento de dores, buscando o tratamento adequado. 

3 – Artrose 

Artrose é uma condição clínica que envolve as articulações, comum em pessoas de mais idade. No caso da artrose, a cartilagem presente entre as articulações apresenta-se desgastada, o que contribui para o atrito entre os ossos. 

À medida que a cartilagem apresenta-se mais desgastada, o atrito aumenta, o que leva a mais dor no local. 

No caso de dor na parte de cima do pé, a artrose também é uma das causas frequentes, sobretudo em pacientes com mais idade. 

4 – Fraturas ósseas 

Como o dorso do pé é formado por vários ossos, o trauma pode gerar microtrincas e até fraturas ósseas nesta região. 

Isso pode acontecer a longo prazo, ou então, devido a um trauma contundente na região. Por exemplo, se um objeto pesado cai no dorso do pé. 

Para isso, a radiografia é essencial para descartar a possibilidade de fratura óssea, quando um acidente assim ocorre. 

Quando a fratura é diagnosticada, o pé deverá ser imobilizado até a consolidação da fratura. 

Diagnóstico 

O médico ortopedista é o profissional indicado para o diagnóstico da dor na parte de cima do pé. 

Inicialmente, o ortopedista avaliará as articulações e poderá solicitar exames de imagem, tais como radiografias e ressonância magnética, para auxiliar no diagnóstico da lesão. 

Tratamento

pessoa sentada no chão segurando um dos pés em alongamento para aliviar a dor na parte de cima do pé
É possível abordar tratamentos diferentes para aliviar a dor na parte de cima do pé.

Para tratar a dor na parte de cima do pé, inicialmente, é importante retirar o paciente do quadro agudo de dor. 

Geralmente, os pacientes procuram o ortopedista quando a dor torna-se tão intensa que impossibilita a continuação dos treinos e dos movimentos. Inclusive, há pessoas que convivem anos com dores e não têm o diagnóstico. 

Porém, é importante que o paciente não deixe a dor tornar-se tão aguda para somente então buscar o diagnóstico adequado. 

Assim, medicações como analgésicos e anti-inflamatórios são prescritas, bem como a aplicação de gelo no local. 

Com as prescrições médicas, o ortopedista poderá orientar o tratamento fisioterapêutico, buscando aliar à medicação, recursos de fisioterapia que estimulem a reparação, bem como a redução da inflamação local. 

Fisioterapia para dor na parte de cima do pé 

A fisioterapia é um grande aliado para quem tem dor no dorso do pé. Inclusive, quem tem dores crônicas. 

Primeiramente, é importante a avaliação individual, pelo Fisioterapeuta, do paciente. Dessa forma, um plano de tratamento é estabelecido. 

Ações fisioterapêuticas analgésicas são importantes, sobretudo para os pacientes que ainda apresentam quadro de dor. Isso porque com dor, o paciente torna-se pouco tolerante às atividades na fisioterapia. 

Além disso, com a redução da dor, o paciente também consegue reduzir, com orientação médica, os medicamentos prescritos para alívio do quadro. Mas, lembre-se, nunca se automedique. Somente o ortopedista sabe quais são os medicamentos indicados para cada caso. 

Outro fator importante é que a fisioterapia é parte essencial do tratamento, pois leva à redução da dor e melhora no alinhamento das estruturas, o que auxilia na recuperação. 

Portanto, exercícios de alongamento, eletroestimulação transcutânea (TENS), aplicação de laser e ultrassom ajudam a minimizar a inflamação local, contribuindo para a reparação. 

Então, exercícios de fortalecimento da musculatura do pé podem ser propostos. E também o alinhamento da postura e da biomecânica do movimento deverão ser itens a serem trabalhados com o fisioterapeuta. 

Como evitar dor na parte de cima do pé?

pessoa com as mãos sobre os pés descalços
É possível evitar a dor na parte de cima do pé de diversas formas.

Para evitar a dor no dorso do pé, é importante tomar algumas medidas: 

  • Use sapatos confortáveis, que não apertam a parte de cima do pé, nem as laterais. Quando possível, fuja de sapatos de bico fino e saltos, que mantém o pé comprimido e em flexão constante; 
  • Ao praticar atividades físicas, opte por calçados com amortecimento adequado; 
  • Sempre faça alongamentos, tanto dos membros inferiores como dos pés; 
  • Corrija a biomecânica da corrida para evitar lesões nas articulações. Correr é um hábito natural, mas quando a biomecânica é adequada, a probabilidade de lesões diminui bastante; 
  • Quando surgir dor, diminua a intensidade das atividades e busque repouso, por poucos dias, para dar alívio às articulações. Nesse período, faça compressas de gelo no local da dor; 
  • Caso a dor não melhore após repouso e aplicação de gelo, busque um ortopedista para avaliação do caso; 
  • Tenha assiduidade às sessões de fisioterapia quando prescritas pelo ortopedista, pois, elas ajudarão na reparação do quadro e evitarão que as dores retornem a longo prazo.
Agendar sua Avaliação