Dor no Quadril Durante A Corrida – O Que Pode Ser?

A corrida de rua se tornou uma febre nas últimas décadas, com milhares de corredores amadores disputando as frequentes provas. Mas, a dor no dor no quadril durante a corrida, pode significar incômodo e até mesmo interrupção dos treinos. 

Afinal, o que pode ser uma dor no quadril durante a corrida? E como é o seu tratamento?

Agendar sua Avaliação

É sobre isso que falaremos, confira! 

O quadril e a corrida 

mulher com dor no quadril durante a corrida
A dor no quadril durante a corrida é bastante comum entre atletas.

Para se executar o movimento da corrida, diversos músculos e ossos são exigidos. 

De fato, a biomecânica da corrida envolve bem mais que somente movimentar as pernas. 

Agendar sua Avaliação

E assim, uma das regiões mais afetadas costuma ser o quadril. 

O quadril é a região do corpo formada pelos ossos da bacia, com o acetábulo, região de encaixe da cabeça do fêmur. 

Além disso, há muitos músculos que protegem a região, permitem a articulação do movimento, além de interligar todo o conjunto. 

Vamos ver quais são as estruturas anatômicas de maior importância dessa região. 

Músculos do quadril 

O quadril é formado por nove músculos internos, descritos a seguir: 

  • Ilíaco; 
  • Psoas maior e menor; 
  • Obturador interno e externo; 
  • Gêmeo superior e inferior; 
  • Piriforme; 
  • Quadrado femoral. 

Na parte de trás do quadril, encontramos a musculatura dos glúteos, que também é importante para a execução do movimento. 

São eles: glúteo máximo, médio, mínimo e tensor da fáscia lata. 

Toda a musculatura dos glúteos é essencial para que o indivíduo possa manter a postura ereta. 

Biomecânica da corrida 

Quando um indivíduo praticante de corrida regularmente apresenta lesões, além do diagnóstico da lesão em si e do tratamento adequado, a prevenção de futuros problemas passa por melhora na biomecânica da corrida. 

De fato, a maneira que o indivíduo corre, seu posicionamento e como sua musculatura reage pode significar a diferença entre ter lesões persistentes ou não ter. 

No caso da biomecânica da corrida, podemos dividir a passada em dois tempos: apoio e balanço. 

O apoio, como o próprio nome já diz, é o momento em que o pé aterriza no solo e busca propulsão para continuar. Já a segunda fase, de balanço, significa a fase seguinte, quando não se está com o pé no chão. 

Ainda na fase de apoio, temos o momento do contato em si, apoio e despregue. 

No contato, há a aterrissagem do calcanhar no solo, que gerará uma força contrária, o que pode gerar fraturas por estresse na canela, por exemplo. 

Na fase de apoio, há absorção da energia mecânica, com o pé apoiado no solo. 

E finalmente, no despregue, a musculatura propulsora dos membros inferiores é exigida, fazendo com que haja a reação ao movimento, com a fase de balanço. 

A melhor performance na corrida está justamente em diminuir o tempo de contato, aumentando a fase aérea, com menor pico de impacto, o que diminui o risco de lesões musculares e articulares durante a prática da corrida. 

Dor no quadril durante a corrida – o que pode ser?

mulher curvada sinalizando dor no quadril
A dor no quadril durante a corrida pode ter diversas causas.

A dor na região do quadril durante a prática da corrida pode abranger uma série de patologias. 

Assim, vamos descrever as mais comuns que costumam afetar os praticantes dessa atividade esportiva. 

1 – Tendinite do glúteo médio 

Nesse tipo de situação, você está treinando corrida quando sente uma fisgada aguda na região posterior do quadril. 

O glúteo médio é um dos principais estabilizadores do quadril, além de ser um músculo bastante exigido no movimento de abrir a perna. 

Essa é, de fato, a lesão mais comum no quadril. 

Ela surge por aumento na sobrecarga na região, com aumento da intensidade e volume nos treinos, bem como falta de treinamento de fortalecimento adequado para a região

Ou seja, costuma afetar bastante os chamados “corredores de final de semana”, os quais não fazem um treinamento muscular apropriado. 

Mas, também afeta corredores mais experientes, sobretudo quando há aumento do volume semanal, fato que acomete corredores que buscam distâncias maiores, como meia-maratona ou maratona. 

Para evitar esse problema, é essencial preparar seu corpo para o treino, com fortalecimento muscular adequado e alongamento. 

Além disso, é necessário respeitar os dias de descanso. 

Em caso de dor, é essencial procurar um médico ortopedista para o diagnóstico correto, medicação adequada e sessões de fisioterapia, para aliviar a inflamação no tendão. 

Ao retornar aos treinos, procure diminuir entre 25% a 50% a distância percorrida, bem como elimine treinos em subida e também de velocidade (tiros) por um tempo. 

2 – Síndrome do piriforme 

Outra causa comum de dor no quadril durante a corrida é a chamada síndrome do piriforme. 

Nessa situação, o músculo piriforme é exigido em demasia e fica contraído, o que resulta em dor na região do glúteo. 

As causas são semelhantes à tendinite do glúteo médio e sua prevenção também. Portanto, invista em fortalecimento adequado para a região, bem como melhora da biomecânica da corrida. 

Caso já tenha apresentado dor na região, é importante evitar o treinamento excessivo e sempre fazer alongamentos e fortalecimento da musculatura do quadril e glúteos. 

3 – Síndrome da banda iliotibial 

A banda iliotibial é uma faixa fibrosa, localizada na lateral da coxa, a qual possui inserção na lateral do joelho e no quadril. 

Popularmente conhecida como “joelho de corredor”, quando o indivíduo apresenta esse problema, pode apresentar dor na lateral do joelho ou no quadril, que são as regiões de inserção da banda. 

O tratamento passa por alongamentos e fisioterapia na região, bem como fortalecimento da região do quadril, bem como da lateral da coxa, para evitar o ressurgimento do problema. 

4 – Bursite trocantérica 

A bursa é uma almofada, que ajuda a compensar o impacto das articulações e está presente na região do quadril. 

Quando ela se inflama, dá origem ao quadro de bursite, que se manifestará como uma dor na lateral do quadril. 

Em caso de dor, a utilização de gelo na região, de 3 a 4 vezes por dia pode ajudar. Além disso, a fisioterapia para a região é bastante indicada, em função de medidas analgésicas que o fisioterapeuta dispõe. 

Caso a dor não desapareça em alguns dias, pode-se suspeitar de fratura por estresse na região, sobretudo se há alguma outra doença crônica associada. 

Como tratar dor no quadril durante a corrida? 

O tratamento de qualquer dor no quadril durante a corrida envolve a interrupção dos treinos, enquanto a dor for aguda e o foco no tratamento. 

Assim, medicações analgésicas e anti-inflamatórias podem ser prescritas pelo médico ortopedista. 

A aplicação de gelo no local pode ajudar a aliviar a dor aguda. 

Concomitantemente, é importante realizar alongamentos e exercícios específicos de fortalecimento para a região. 

O retorno aos treinos deve ser feito somente com ausência de dor na região. Ao retornar, lembre-se de diminuir consideravelmente a rodagem, bem como eliminar treinos em subida, descida e treinos de velocidade por um tempo. 

Como prevenir a dor no quadril na corrida?

mulher curvada com as mãos na lateral do quadril
A prevenção aind aé o melhor remédio para dor no quadril durante a corrida.

 

A prevenção é a melhor arma para não se ter dor no quadril durante a prática de corrida. 

Assim, todos que praticam corrida devem incluir em sua semana de treinos, o fortalecimento muscular adequado. 

Pense que o organismo sofrerá bastante impacto e estresse por conta dos treinos de corrida. Por isso, é essencial que a musculatura e as articulações estejam preparadas para receber toda essa carga. 

E a musculatura responderá bem caso esteja sendo constantemente fortalecida. 

Além disso, em caso de dor, é essencial procurar um médico ortopedista, ligado ao esporte para o correto diagnóstico e fazer o tratamento adequado. 

A fisioterapia é um forte aliado, uma vez que consegue minimizar a dor, com medidas analgésicas, bem como alongar e fortalecer a região afetada. 

Por último, lembre-se de não subir abruptamente a carga de treinos de corrida. Quando se começa a correr, quer logo chegar às maiores distâncias, mas é um processo. 

Você precisa adaptar seu corpo às novas distâncias com calma. Dessa forma, diminui consideravelmente a possibilidade de apresentar lesões. 

Agendar sua Avaliação