Má circulação nos pés

Quando se fala em má circulação nos pés, variados sintomas podem ser associados: pés inchados, dor, coceira, formigamento, por exemplo, dentre tantos outros. 

Mas, será que a má circulação nos pés é tratável? E como é possível evitar isso?

Agendar sua Avaliação

Afinal, quais seriam os fatores de risco que podem contribuir para a má circulação nos pés?

Trataremos sobre essas questões! Confira! 

O que é má circulação nos pés?

pessoa sentada com as pernas dobradas mostrando a má circulação nos pés
A má circulação nos pés não permite que o sangue irrigue o local.

O sangue é o meio através do qual nutrientes e o oxigênio chegam até a célula. Ele é bombeado pelo coração, contendo oxigênio, através das artérias. 

Agendar sua Avaliação

Assim, as artérias vão diminuindo de calibre, virando arteríolas até chegar nos capilares sanguíneos. 

Nos capilares sanguíneos, ocorrem as trocas gasosas, ou seja, o oxigênio sai do sangue para serem recolhidos gás carbônico e produtos restantes do metabolismo celular que não serão aproveitados. 

Esse sangue, então, retorna através das veias. Com o passar do tempo, alguns indivíduos podem desenvolver um quadro denominado doença arterial periférica. 

Doença arterial periférica 

A doença arterial periférica é o nome científico para má circulação nos pés. Nesse distúrbio, há dificuldade do sangue circular em determinadas regiões, sobretudo nos membros inferiores, quando o calibre das veias e artérias vai diminuindo. 

Assim, a má circulação do sangue nos pés, por exemplo, faz com que o fluxo sanguíneo fique comprometido, levando aos sintomas que o paciente sente. 

Sintomas 

O paciente que apresenta má circulação nos pés pode apresentar um ou vários dos seguintes sintomas: 

  • Pés frios; 
  • Pés e pernas inchadas; 
  • Dor nos pés; 
  • Dificuldade de movimentação; 
  • Formigamento nos pés; 
  • Coceira nas pernas e pés; 
  • Manchas vermelhas; 
  • Aparecimento de varizes; 
  • Sensação de peso e cansaço extremos nas pernas; 
  • Coloração azulada na região de má circulação; 
  • Úlceras que não cicatrizam, sobretudo nos dedos ou parte mais externa dos pés. 

Fatores de risco para má circulação nos pés

pessoa na ponta dos pés com as mãos sobre ele
Existem alguns fatores de risco para o desenvolvimento de má circulação nos pés.

Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver a má circulação nos pés. Dentre eles, podemos citar: 

  • Gravidez; 
  • Diabetes mellitus descompensado; 
  • Pressão arterial elevada (hipertensão); 
  • Obesidade; 
  • Colesterol elevado; 
  • Sedentarismo; 
  • Tabagismo; 
  • Alimentação rica em gorduras e frituras; 
  • Estresse; 
  • Uso de anticoncepcionais; 
  • Envelhecimento. 

Esses fatores contribuem para o estreitamento do calibre de artérias e veias, o que pode levar à má circulação nos pés. 

Diagnóstico 

Para o diagnóstico da causa da má circulação nos pés, é fundamental a consulta com um médico. Afinal, as causas podem ser as mais variadas. 

Assim, muitas vezes, o médico colhe as informações transmitidas pelo paciente e solicita alguns exames de sangue, os quais podem confirmar ou descartar hipóteses diagnósticas. 

Dentre os exames de sangue mais solicitados estão glicose em jejum, colesterol total, HDL, LDL, hemograma, além da verificação da pressão arterial. 

Com os resultados, o médico já conseguirá ter uma ideia de doenças como hipertensão, diabetes e hipercolesterolemia, por exemplo. 

Caso os exames de sangue do paciente apresentem resultados na faixa de normalidade, outros exames podem ser solicitados. 

Mas, o importante é buscar um médico para que a má circulação nos pés seja diagnosticada corretamente. 

Tratamento 

O tratamento da má circulação nos pés passa pelo diagnóstico da causa do problema. 

No caso do paciente ser portador de alguma comorbidade, como hipertensão ou diabetes, por exemplo, é essencial que o tratamento da doença seja ajustado, para que o indivíduo consiga o controle adequado da pressão arterial e da glicose. 

Em muitos casos, a má circulação melhora com a melhora no quadro de saúde geral do paciente, com o controle da pressão e da glicose. 

Mas, outros tratamentos são importantes para melhorar a circulação nos membros inferiores, além de alguns cuidados que podem evitar que novas crises surjam. 

No caso do aparecimento de varizes, por exemplo, um médico vascular poderá realizar o tratamento com aplicação de laser, por exemplo. 

Já para quem está com a mobilidade reduzida, massagens podem ajudar a realizar a drenagem dos líquidos acumulados nas pernas, melhorando o inchaço. 

Por último, o uso de anticoagulantes, prescritos pelo médico, como ácido acetilsalicílico, auxiliam no tratamento da doença arterial periférica. 

Prevenção da má circulação nos pés

profissional segurando um dos pés da paciente com bandagem para má circulação nos pés
É possível prevenir a má circulação nos pés.

 

A prevenção é a melhor maneira de evitar problemas relacionados à circulação nos pés, ou seja, de se evitar a doença arterial periférica. 

Dessa forma, algumas ações auxiliam a circulação do sangue, contribuindo para que o paciente não tenha má circulação nos pés. 

1 – Faça intervalos e movimente-se 

Muitas pessoas passam longas horas sentadas ou em pé, trabalhando. E assim, têm maiores chances de desenvolverem problemas relacionados à circulação. 

Portanto, faça pausas durante seu expediente de trabalho e movimente-se nesses intervalos. 

Se você trabalha muitas horas sentado (a), levante-se a cada meia hora, dê uma pequena caminhada e alongue-se. Já se você fica em pé por longos períodos, caminhe um pouco, flexionando e esticando os joelhos. 

Com isso, você contribui para que a circulação seja otimizada e também movimenta as articulações do corpo. 

2 – Pratique atividade física 

O sedentarismo contribui para diversos problemas de saúde e a má circulação é um deles. Mesmo que você não seja fã de praticar esportes, faça uma caminhada de 30 minutos, diariamente. 

Assim, você contribui para a melhora geral da sua saúde. Afinal, a prática de atividade física regular contribui para a saúde cardiovascular, libera endorfinas, além de ajudar no controle do peso e do estresse. 

3 – Cuide de sua pressão arterial e do diabetes 

Duas patologias que costumam trazer muitos problemas à saúde são a hipertensão e o diabetes, quando descontrolados. 

Mas, ambas doenças têm tratamento e o tratamento é fornecido, inclusive, gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Por serem doenças silenciosas, muitas pessoas não cuidam da pressão nem fazem um controle adequado da glicose, pois “não sentem nada”. Mas, o excesso de pressão e o excesso de glicose nas artérias produz consequências nefastas a longo prazo. 

Por isso, meça sua pressão constantemente, tome os medicamentos prescritos pelo seu médico e ajuste a alimentação. No caso do diabetes, além da medicação (oral ou insulina, dependendo do tipo de diabetes), faça medidas de glicose constantemente. 

Dessa forma, você se cuida para que nem a hipertensão, nem o diabetes te tragam outros problemas de saúde como consequência. 

4 – Evite roupas e sapatos apertados 

Roupas muito justas ajudam a restringir a circulação nas pernas e nos pés. Portanto, opte por roupas confortáveis e fuja dos modelos muito justos. 

Outro problema está nos sapatos, de salto alto e apertados. Sempre opte por modelos confortáveis, que não apertarão seus pés e têm, no máximo, um salto médio, com bom apoio aos pés. 

5 – Busque uma alimentação mais saudável 

Há alimentos que ajudam a diurese do organismo, ou seja, você consegue eliminar toxinas de maneira mais eficiente quando consome esses alimentos. 

Além da água, essencial ao organismo e deve ser consumida diariamente em boa quantidade, alimentos como abacaxi, limão e chás ajudam devido a seu efeito diurético. 

O ideal é também buscarmos sempre uma alimentação saudável, à base de frutas, legumes e verduras, restringindo gorduras e frituras, além do sal. 

6 – Use meias de compressão 

Meias de compressão ajudam no retorno venoso do sangue. Elas são recomendadas a pacientes com a mobilidade reduzida ou após cirurgias, por exemplo. 

Assim, em hospitais, por exemplo, o uso de meias de compressão diminui o risco de trombose. 

Para pessoas que ficam muito tempo sentadas, o uso de meias de compressão pode ajudar na melhora da circulação das pernas e pés. 

7 – Fisioterapia Vascular  – precisamos separar massagem de Fisioterapia

O acompanhamento com Fisioterapeuta é uma ótima maneira  de conseguir melhorar a circulação. 

Técnicas fisioterapêuticas vasculares , são bastante efetivas em reduzir inchaços e a dor nos membros inferiores, causadas pela má circulação, entre elas podemos citar técnicas como drenagem linfática, terapia manual e orientações de exercicios musculares

Portanto, a fisioterapia também pode te ajudar bastante a não sentir tanto os sintomas da má circulação nos pés. 

Com essas ações preventivas e com o tratamento adequado das causas da má circulação nos pés, certamente o paciente ganha alívio dos sintomas e mais qualidade de vida.

Agendar sua Avaliação