Marcha Claudicante: significado, causas e tratamento

A marcha claudicante refere-se a um padrão de caminhada caracterizado por dificuldade ou dor ao andar. Geralmente, essa dificuldade está associada a condições subjacentes, especialmente aquelas que afetam o sistema vascular ou musculoesquelético.

A claudicação é um termo que descreve a dor ou desconforto causado pela diminuição do fluxo sanguíneo para os músculos durante o exercício, comum em condições como a doença arterial periférica.

Agendar sua Avaliação

Nesse artigo você vai descobrir quais condições podem estar associadas a esse padrão de caminhada e quais são os possíveis tratamentos.

Como identificar uma marcha claudicante?

foto de marcha claudicante

A marcha claudicante pode ser identificada observando-se padrões anormais de movimento durante a caminhada. Confira alguns sinais e características que podem indicar uma marcha claudicante:

Agendar sua Avaliação

Dificuldade ao Iniciar a Caminhada

A pessoa pode apresentar dificuldade em começar a andar, muitas vezes devido à dor ou desconforto.

Dor Durante a Caminhada

Dor nas pernas ou nas nádegas que ocorre durante a caminhada e melhora com o repouso.

Marcha Interrompida

A marcha pode ser interrompida ou mancante, com períodos de caminhada seguidos por pausas para aliviar a dor.

Alterações no Padrão de Movimento

Mudanças no padrão de movimento, como um passo mais curto ou uma marcha mais lenta, podem ser observadas.

Claudicação Vascular

Em casos de claudicação vascular (associada à insuficiência arterial), a pessoa pode apresentar dor e cãibras nas pernas durante a caminhada.

Melhora com o Repouso

A dor melhora significativamente com o repouso, permitindo que a pessoa retome a caminhada após um período de descanso.

Assimetria na Marcha

Uma perna pode ser favorecida em relação à outra, resultando em uma marcha assimétrica.

O que pode causar a claudicação?

foto de marcha claudicante

A claudicação, especialmente a claudicação intermitente, é frequentemente causada por problemas circulatórios nas artérias que fornecem sangue às pernas.

A condição mais comum associada à claudicação é a doença arterial periférica (DAP), mas outras condições também podem ser responsáveis.

Doença Arterial Periférica (DAP)

É a causa mais comum de claudicação. A DAP envolve o estreitamento ou bloqueio das artérias que fornecem sangue às pernas, geralmente devido à aterosclerose (depósito de placas de gordura nas paredes das artérias).

Estenose da Artéria Vertebral

Estreitamento das artérias vertebrais, que podem levar a sintomas de claudicação cervical.

Embolia Arterial

Um êmbolo (coágulo sanguíneo ou fragmento de placa) pode se deslocar e obstruir uma artéria, causando claudicação aguda.

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Uma coágulo de sangue nas veias profundas das pernas pode interferir no fluxo sanguíneo, causando dor e claudicação.

Estenose da Artéria Renal

Estreitamento das artérias renais, que pode afetar o fluxo sanguíneo para os rins.

Doença de Buerger

Uma doença inflamatória das artérias e veias, geralmente associada ao tabagismo.

Doença de Raynaud

Contração dos vasos sanguíneos em resposta ao frio ou estresse emocional, levando à redução do fluxo sanguíneo.

Estenose Espinhal

Estreitamento do canal espinhal, que pode comprimir os nervos e causar claudicação neurogênica.

Complicações da Diabetes

A diabetes pode causar danos aos vasos sanguíneos e nervos, aumentando o risco de claudicação.

Artrite e Doenças das Articulações

Condições que afetam as articulações, como osteoartrite ou artrite reumatoide, podem causar dor ao caminhar.

Quando devo procurar tratamento?

Deve-se buscar tratamento ao experimentar dor ao caminhar, mudanças no padrão de marcha, redução na distância de caminhada, sintomas persistentes ou presença de fatores de risco.

Tratamento

foto de marcha claudicante

O tratamento da marcha claudicante visa abordar a causa subjacente dos sintomas e melhorar a circulação sanguínea nas pernas.

As abordagens podem variar dependendo da condição específica, mas geralmente incluem:

Fisioterapia

A fisioterapia pode ajudar no fortalecimento muscular, melhorando a mobilidade e a capacidade de caminhar.

Atividades físicas e exercícios Supervisionados

Programas de exercícios supervisionados, como caminhadas regulares, podem melhorar a circulação e a capacidade de caminhar sem dor.

Angioplastia e Cirurgia Vascular

Em casos mais graves, procedimentos como angioplastia (dilatação de vasos sanguíneos) ou cirurgia vascular podem ser considerados para desobstruir ou reparar as artérias afetadas.

Gestão do Peso

Manter um peso saudável reduz a carga sobre as articulações e melhora a circulação.

Medidas de Prevenção

Adotar medidas preventivas, como usar calçados adequados e evitar temperaturas extremas, especialmente em casos de claudicação neurogênica.

O tratamento que vai devolver a saúde dos seus membros inferiores

A base da proposta do Instituto TRATA está centrada na ideia de inovação no tratamento das extremidades inferiores, abrangendo quadril, joelho e pé. A asseguração de resultados eficazes espelha os métodos seguidos pela equipe:

Avaliação clínica detalhada

O paciente passa por uma avaliação clínica detalhada realizada por um especialista da equipe. Esse inicial procedimento possibilita uma orientação direcionada ao tratamento, considerando o quadro individual de cada paciente.

 Fisioterapia ortopédica e esportiva: avaliação

Avaliação cinemática dos movimentos do corpo

Posteriormente, o paciente passa por uma avaliação cinemática dos movimentos corporais. O objetivo é examinar a organização dos ossos e músculos em resposta à gravidade e às forças que atuam no corpo humano. Para essa finalidade, empregamos um software especializado de análise de movimento chamado TrataScan. Sua tecnologia avançada permite identificar quaisquer alterações na força ou funcionalidade das estruturas que podem resultar em quadros inflamatórios ou dolorosos, por exemplo.

Durante essa fase, é possível avaliar assimetrias, padrões motores, lesões associadas, presença de compensações e determinar quais estruturas necessitam de intervenção.

 Fisioterapia ortopédica e esportiva: avaliação cinemática 2D

Protocolo de tratamento das lesões dos membros inferiores

A etapa final envolve a implementação do protocolo de tratamento para lesões nas extremidades inferiores, desenvolvido pela rede e embasado em evidências científicas.

A atenção é direcionada para o alinhamento biomecânico das extremidades inferiores, visando aprimorar a condição do paciente (evitando recidivas) e, consequentemente, proporcionar uma maior qualidade de vida.

 Fisioterapia ortopédica e esportiva: exercício de fortalecimento

Não há um atendimento padronizado. Analisamos as necessidades individuais de cada paciente e desenvolvemos a abordagem de tratamento mais adequada para cada caso.

A incorporação da tecnologia é uma parte integral do nosso programa de tratamento, com o propósito de proporcionar aos pacientes as mais avançadas técnicas no tratamento conservador de Fisioterapia.

Agendar sua Avaliação

Esse Guia Exclusivo foi elaborado pelos Fisioterapeutas do maior grupo especializado da América Latina.

Preencha os dados para receber acesso de forma segura: